Uma criança ou jovem é infectada pelo HIV a cada 100 segundos, alerta Unicef


O Fundo das Nações Unidas para a Infância (Unicef) publicou novo relatório, nesta quarta-feira (25), e pede que os governos mantenham e acelerem os esforços para combater o HIV em crianças. Segundo o Unicef, no ano passado, uma criança ou jovem com menos de 20 anos foi infectado com HIV a cada 100 segundos. Em comunicado, a diretora-executiva do Unicef, Henrietta Fore, disse que “as crianças ainda estão se infectando em taxas alarmantes e morrendo de aids”. Segundo ela, esses números são antes “da covid-19 interromper os serviços vitais de tratamento e prevenção do HIV, colocando inúmeras vidas em risco”.

Ações de prevenção e tratamento para crianças permanecem entre os mais baixos. Em 2019, quase metade das crianças em todo o mundo não receberam os antirretrovirais. No mesmo ano, 320 mil crianças e adolescentes foram infectados com HIV e cerca de 110 mil crianças morreram de aids.

Pandemia

De acordo com o Unicef, a pandemia piorou as desigualdades no acesso a serviços de HIV essenciais a crianças, adolescentes e mães grávidas em todo o mundo.

Também existem sérias preocupações de que um terço dos países com alta prevalência possam enfrentar interrupções relacionadas ao novo coronavírus.

Dados do Programa Conjunto das Nações Unidas sobre HIV/Aids (Unaids), citados no relatório, mostram o impacto das medidas de controle, interrupções na cadeia de suprimentos, falta de equipamentos de proteção individual e a realocação de profissionais de saúde.

Em abril e maio, coincidindo com o pico dos bloqueios para controlar a covid-19, o tratamento pediátrico do HIV e o teste de carga viral em crianças caíram entre 50 e 70% em alguns países. Já o início de novo tratamento teve uma queda entre 25% e 50%.

Os partos nas unidades de saúde e pré-natal também caíram entre 20% a 60%. O teste de HIV materno e o início da terapia antirretroviral foram reduzidos de 25% a 50% e os serviços de testagem em bebês, 10%.

Nos últimos meses, a flexibilização das medidas de controle e o direcionamento estratégico de crianças e mães grávidas levaram a uma recuperação dos serviços. Apesar disso, os desafios permanecem, e o mundo ainda está longe de atingir as metas globais de HIV pediátrico para 2020.

Regiões

Apesar algum progresso na luta global contra o HIV/aids, existem profundas disparidades regionais que persistem entre todas as populações, especialmente para as crianças.

Na região do Oriente Médio e norte da África, por exemplo, 81% dos soropositivos infantis recebem terapia antirretroviral. Já na América Latina e Caribe, a porcentagem cai para 46% e África Ocidental e Central para 32%.

O sul da Ásia tem uma cobertura de 76%. A África Oriental e Meridional apontam tratamentos para 58% da crianças e a Ásia Oriental e Pacífico para cerca da metade.

Fonte: ONU Brasil

%d blogueiros gostam disto: