Taxas de suicídio caem após legalização do casamento gay, aponta pesquisa


Segundo uma pesquisa realizada na Suécia e Dinamarca, estados que aprovam o casamento entre pessoas do mesmo sexo tem uma queda significativa nas taxas de suicídio entre gays e lésbicas.

Ambos os países europeus estão entre os primeiros a legalizar o casamento gay (a Dinamarca legalizou em 1989). O estudo acompanhou mais de 28.000 pessoas em uniões do mesmo sexo por cerca de 11 anos.

Eles analisaram as taxas de suicídio entre aqueles que se casaram entre 1989 e 2002 e depois entre 2003 e 2016. Em ambos os casos, a taxa de suicídio caiu 46%.

Observou-se em outros estudos que pessoas casadas – independente da sexualidade – são menos propensas a morrer por suicídio, e a taxa de suicídio nos dois países caiu nos últimos anos. No mesmo estudo, a taxa de suicídio entre pessoas do sexo oposto caiu 28%.

Embora as taxas de suicídio nas populações em geral da Dinamarca e da Suécia tenham diminuído nas últimas décadas, a taxa para aqueles que vivem em casamento homoafetivo estava diminuindo em um ritmo mais acentuado, o que não foi observado anteriormente“, apontou um dos pesquisadores.

Embora alguns outros fatores possam entrar na conta (por exemplo, um tratamento mais eficaz para o HIV também levou a uma queda no suicídio entre homens gays), eles acreditam que legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo ajudou a diminuir o preconceito em relação a comunidade LGBT.

Legalizar o casamento entre pessoas do mesmo sexo e garantir medidas legislativas de apoio – podem realmente reduzir o estigma em torno das minorias sexuais“, disse Annette Erlangsen, do Instituto Dinamarquês de Pesquisa para Prevenção do Suicídio e uma das co-autoras do estudo.

Este não é o primeiro estudo a sugerir uma ligação entre casamento e uma queda nos suicídios LGBTQ. Um estudo da Universidade de Harvard em 2017 revelou que as tentativas de suicídio de estudantes gays, lésbicas e bissexuais do ensino médio dos EUA caíram 14% nos estados que legalizaram a união homoafetiva.

Fonte: Põe na Roda

%d blogueiros gostam disto: