Oficina de Teatro Expressionista – OTE – PrEP – PEP


Oficina de Teatro Expressionista – OTE

Conceitos: PrEP e PEP

Com o desenvolvimento das Ciências Biomédicas e o avanço da tecnologia duas novas tecnologias de prevenção foram desenvolvidas para serem utilizadas como aliadas no combate a doenças como o HIV/AIDS e as Infecções Sexualmente Transmissíveis (IST’s), como a Profilaxia Pré-exposição (PrEP) e a Profilaxia Pós-exposição (PEP), por exemplo. Abaixo, conheça o que são elas, como e quando utilizá-las:

PrEP: A Profilaxia pré-exposição (PrEP) é uma estratégia de prevenção que consiste no uso de medicamento antirretroviral (usado por pessoas soropositivas), diariamente, por pessoas que não tem o HIV/AIDS, para reduzir o risco de contrair a doença através de relações sexuais sem preservativo. O medicamento Truvada (nome da combinação de antirretrovirais da PrEP) bloqueia o ciclo de multiplicação do vírus HIV, impedindo a infecção do organismo.

Há dois tipos principais: a PrEP Oral (em forma de comprimido) e a PrEP Tópica (em forma de gel). No Brasil, essa estratégia de prevenção ainda encontra-se em fases de testes, como na Fiocruz, por exemplo, e não está disponível na rede pública de saúde. Entretanto, com resultados considerados satisfatórios, existe a expectativa de que até o fim de 2017 seja incorporado no Sistema Único de Saúde (SUS) como mais uma possibilidade de prevenção.

PEP: A Profilaxia pós-exposição (PEP) é uma estratégia de prevenção que consiste em prevenir a infecção depois da exposição ao HIV como, por exemplo, em uma relação sexual com uma pessoa (conhecidamente ou não) soropositiva em que houve penetração sem uso da camisinha, no caso de acidente com o uso da camisinha (quando estoura ou há ejaculação interna, por exemplo), ruptura ou deslizamento e ainda para casos onde há violência ou abuso sexual (estupros).

Nesses casos, se utiliza de medicamentos antirretrovirais (os mesmos usados para quem é soropositivo) por 28 dias, sem interrupção (salvo casos em que há orientação médica). É importante destacar que: para que haja uma maior proteção é imprescindível que a pessoa inicie o tratamento nas primeiras duas horas após a exposição e no máximo em até 72 horas (três dias). A proteção diminui à medida que as horas passam.

Texto para Oficinas de PrEP e PEP para gerir debates entre pares.

 

Personagens fictícios: João, José e Paulo

 

“E agora José?”

 

João, 25 anos penetra seu pau em José de 23 anos

José é penetrado por João e o preservativo estoura ou tiveram relação sem o preservativo.

Paulo de 24 anos, amigo de José, ajuda a procurar um tratamento (PEP) dentro do prazo de 72 horas depois da exposição com o esperma de João no cu.

 

(baseado em fatos reais e isto pode acontecer em qualquer idade)

 

João: Oi Zé, estou louco para te encontrar hoje à noite.

Vamos fazer algo especial e viver a vida

 

José: Delícia, topo e podemos marcar o local e a hora.

 

João: Vamos no local de sempre, lá já conhecemos

 

José: Consegui um gel lubrificante excelente e umas camisinhas com sabores.

 

João: Mas para que isto? Camisinha? Já nos conhecemos. Sou limpo, não sou promíscuo.

 

José: Mas só tenho penetração com camisinha. Já fizemos com e não abro mão dela.

 

João: Ok, bla, bla, bla, às 7:00 horas na porta.

 

José: Ok, até breve e estou aceso para muita sacanagem.

 

(Horas se passam, ambos se encontram no local determinado, entram no quarto, trocam carícias, se tocam nas parte intimas, bebem, fumam, tomam banho juntos e já excitados se encostam corpo a corpo no box do banheiro, deitam na cama de casal ainda molhados e tudo começa de forma mais ousada.

 

João: Vou te comer todim, gato maravilhoso. Que bunda gostosa. Que rabo carnudo. Que par de coxas, que cu lindo. Chupa aqui a minha rola. Mete tudo na boca. Engole a criança. Mama na fonte…

 

José: Aqui estão o lubrificante que te falei gato, e as camisinhas com sabores diversos para usarmos.

 

João: Ok, mas primeiro deixa eu dar uma chupada neste seu cu gostoso, depois uma metida de uma só fez sem camisinha. Quero sentir carne na carne e depois eu prometo que coloco. Quero sentir esse seu cuzinho quente engolindo minha rola. Deixa eu meter só uma vez, gato gostoso. Meto e tiro, juro, juro, só meto e tiro. Coloco só na portinha desse cuzinho gostoso.

 

José: Não João, não dou sem camisinha. Nem pensar. Sua rola grande e dura é uma delícia, mas tem que me comer com camisinha. Caso contrário ficamos aqui só na chupação, nos beijos e na punheta.

 

João: Porra Zé, que merda, maior abaixa tesão. Olha aqui o garoto como está. Pronto para te foder todim, meter tudo e te deixar todo feliz. Olha aqui a rola dura querendo o seu rabo gostoso e você vai dar uma de Zé Mané com essa porra de camisinha. Pensei que ia relaxar e deixar te meter tudo sem essa porra. Não gosto desta merda. Na última vez eu fiz para te agradar, agora é a sua vez de me agradar. Vai ai e deixar eu te comer sem camisinha. Só uma vez e você vai gostar.

 

José: Pô, João temos que nos cuidar. Não nos conhecemos bem e nem sabemos nada um do outro. Relaxa e coloca a camisinha, gato. Estou te pedindo. Viemos aqui numa boa e agora esse vacilo…

 

João: Vacilo seu, mano, com essa merda de camisinha. Sou limpo e você também, que eu sei. Só saio com caras como a gente. Turma limpa, sem bloqueio de dar sem camisinha, mas só para pessoas do mesmo nível. Você até abaixa o meu tesão com esse seu lero-lero.

Não confia em mim, não? Você disse que me queria, sempre me quis, disse até que me amava e agora vai vacilar com esse seu cuzinho para mim.

 

José: Comigo só com o preservativo ou nada.

 

(Horas se passam e João acaba convencido que será com a camisinha ou não vai rolar nada no cu de José. Coloca o preservativo de qualquer maneira, estimula com os dedos o cu de José e com a outra mão tenta endurecer o pau que ficou meio mole, por causa da resistência contra a camisinha e por não saber fazer uso correto da mesma.)

 

João: Pronto? Feliz? Coloquei! Agora vira esse cu e me deixa te foder.

 

(José fica de 4 com o cu virado para João e vai relaxando e deixando a rola grossa, longa e agora dura entrar nele de forma meio violenta por parte de João, geme de dor e prazer, pede para ir devagar, mas quanto mais pede cuidados, mais João o fode com força, com uma penetração profunda, sádica e Josê a recebe de forma masoquista, passiva, a invasão do seu cu por aquela pica gulosa e dura)

 

José: Ai, ai, ai, devagar, por favor, devagar, está me machucando muito. Ai, ai, não vou aguentar por muito tempo.

 

João: Seja macho e aguenta a minha rola, segura ela dentro, vou te foder muito, meter até sangrar. Tá gostando? Segura firme, pois vou bombar esse seu cu delicioso.

 

José: Cuidado, gato, está doendo muito, dá um tempo, deixa eu relaxar mais..

 

(João não obedece e nem escuta as súplicas do parceiro e continua a comê-lo quase em um ato de estupro e não tarda da camisinha se romper e ele ejacular dentro do cu de José, mesmo sabendo que a camisinha havia estourado e toda porra fico dentro)

 

João: Porra eu acho que gozei e gozei muito, gato e agora você tem o meu leite dentro de você. Essa porra de camisinha arrebentou e eu não consegui parar antes de gozar.

 

José: Porra João, você gozou dentro de mim? Gozou? Cadê a camisinha? Porra arrebentou e você continuou? Merda, porra, te pedi tanto cara…

 

João: Desculpa, mano. Foi vacilo meu. Eu senti que havia estourado, mas o tesão era maior e esse seu cu é muito quente.

 

(José indignado e preocupado, sai da cama, vai ao banheiro, percebe que sangrou um pouco, se limpa, não toma banho, se veste e vai embora sem se despedir de João)

 

João: Zê, não fica puto comigo. Sou limpo. Não tenho nada, não. Olha a pica como é saudável. Espera ai, mano. Vamos conversar. Fiz teste e deu negativo tempo atrás. Te juro…

 

José: Nunca acredite em teste verbal dito por alguém que é limpo, fez teste e deu negativo, não confio em ninguém cara. Você vacilou comigo e agora não sei o que fazer.

 

(Desorientado, José percorre algumas ruas e consegue chegar ao seu ponto de ônibus, já tarde de madrugada, quando lembra de um amigo que trabalha em uma ONG AIDS e imediatamente entra em contado com esse amigo para saber o que fazer. Desconhecia a PrEP e a PEP, só passava por sua cabeça que poderia ter contraído o vírus HIV.

 

José: – Paulo, é José e preciso muito da sua ajuda…

 

(José relata tudo que aconteceu naquela noite e pede orientação ao amigo)

 

Paulo: Que vacilo do seu amigo, José. Que merda, mas tem como você iniciar um tratamento imediatamente em até 72 horas e posteriormente por 28 dias. Tem que procurar uma unidade de saúde, eu te acompanho, pois você terá que ser encaminhado para realizar exames. Depois do exame, onde o seu sangue será coletado, você passará por uma aconselhadora, que após a conversa lhe indicará a retirada dos medicamentos.

 

José: Que que medicamentos são esses?

 

Paulo: Você sabe o que é PEP?

 

José: Não e nem nunca ouvi falar. Só sei da AIDS.

 

Paulo: Pois é, vou te explicar e vamos em seguida nos encontrar.

A Profilaxia pós-exposição (PEP) é uma estratégia de prevenção que consiste em prevenir a infecção depois da exposição ao HIV como, por exemplo, em uma relação sexual com uma pessoa (conhecidamente ou não) soropositiva em que houve penetração sem uso da camisinha, no caso de acidente com o uso da camisinha (quando estoura ou há ejaculação interna, por exemplo), ruptura ou deslizamento e ainda para casos onde há violência ou abuso sexual (estupros).

Tudo muito parecido com o que você me relatou e que foi muito inteligente da sua parte em procurar mais informações sobre o que aconteceu.

 

José: Poxa muito obrigado, amigo, não sabia e não sei nada sobre essa tal de PEP e PrEP, tenho que me informar muito mais para poder passar isto para outras pessoas.

 

Valorize a prevenção e faça o uso correto do preservativo.

Procure no seu Estado ou município locais onde você possa fazer a PEP.

Click no link do Departamento do Ministério da Saúde.

http://www.aids.gov.br/

Texto: Jean Pierre e Vagner de Almeida

 

 

 

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: