O conceito Indetectável = Intransmissível pode ser usado para remodelar os programas de HIV globalmente?


A pesquisa apresentada na 23ª Conferência Internacional de Aids na semana passada sobre Indetectável = Intransmissível (I = I) indica níveis variados de conscientização e aceitação dessa mensagem poderosa, apesar da conclusão definitiva de que as pessoas que vivem com HIV e têm carga viral indetectável não podem infectar outras pessoas.

Lançado em meados de 2016 por ativistas e pesquisadores da cidade de Nova York, o movimento I = I liderado pela comunidade envolveu mais de 1.000 organizações de 100 países e populações-chave em todos os continentes. Em uma apresentação plenária, Dayana Hernandez, da Transvida, uma organização que oferece serviços para mulheres trans na Costa Rica, enfatizou o papel central das organizações da sociedade civil que trabalham com pessoas vivendo com HIV na divulgação da mensagem I = I. No entanto, ela também disse que os governos precisam endossá-la para que ela tenha o máximo impacto na redução do estigma e como forma de prevenir infecções por HIV.

Isso aconteceu no Vietnã. Asia Nguyen, dos Centros de Prevenção e Controle de Doenças dos EUA (CDC) no Vietnã, compartilhou como o Ministério da Saúde e os líderes comunitários adotaram o I =I como um componente central dos esforços gerais de prevenção do HIV, além de usá-lo para reduzir o estigma. Isso incluiu ideias errôneas desafiadoras do HIV e a comunicação da importância de I =I para pessoas vivendo com HIV, homens mais jovens que fazem sexo com homens (HSH), profissionais de saúde relutantes e o público em geral por meio de campanhas publicitárias personalizadas, começando no nível comunitário e progredindo para uma campanha nacional.

O Vietnã é o primeiro país do PEPFAR (Plano de Emergência do Presidente dos EUA para o Alívio da Aids) a obter supressão viral em mais de 95% das pessoas em tratamento antirretroviral e endossar oficialmente o I =I através de diretrizes nacionais.

Brasil

Thiago Torres, da Fundação Oswaldo Cruz (FIOCRUZ), uma instituição de pesquisa em saúde no Brasil, apresentou dados que mostram que, além dos grupos diretamente afetados pelo HIV, a conscientização e a aceitação generalizadas de I = I continuam limitadas no país.

Os adultos foram recrutados via Grindr (aplicativo de paquera para HSH), Facebook e WhatApp e concluíram uma pesquisa incluindo a pergunta: “Com relação aos indivíduos infectados pelo HIV que transmitem o HIV por meio de contato sexual, qual é a precisão de sua opinião sobre o slogan I = I (indetectável é igual a intransmissível)?” Essa foi a mesma pergunta usada em pesquisas anteriores nos EUA.

A amostra final incluiu respostas de 1690 indivíduos: incluindo 20% de pessoas vivendo com HIV, 46% de HSH com status negativo ou desconhecido, enquanto outras populações (como homens e mulheres heterossexuais) com status HIV negativo ou desconhecido compõem o restante da amostra. Os HSH eram mais jovens (idade média de 33 anos) em comparação com pessoas vivendo com HIV (idade média de 40 anos) e outras populações (idade média de 48 anos). A amostra era predominantemente branca, bem educada e relativamente rica.

Enquanto a grande maioria das pessoas vivendo com HIV percebeu o I = I como preciso (90%), apenas 68% dos HSH HIV negativos consideraram isso como tal. Isso diminuiu para 35% dos participantes pertencentes a outras populações, afirmando que o conceito é preciso. Em todos os grupos, aqueles com menos de 35 anos tinham maior probabilidade de perceber o I = I como preciso.

Pessoas vivendo com HIV identificadas como negras eram menos propensas a aceitar esse I = I, enquanto aquelas vivendo com HIV com um parceiro estável eram mais propensas a fazê-lo. HSH de grupos de baixa renda eram menos propensos a perceber o conceito como seguro.

Vietnam

I = I (ou K = K, como é conhecido em vietnamita) foi posicionado como o componente central da resposta do Vietnã à sua epidemia de HIV. Isso se baseia em evidências científicas claras de que a TARV bem sucedida leva à supressão viral sustentada, fornecendo proteção completa contra a transmissão sexual do HIV.

Esta mensagem crucial também foi usada para influenciar o planejamento do programa de HIV no Vietnã. As autoridades de saúde consideram essa mensagem versátil e relevante para a redução do estigma, envolvimento com o tratamento do HIV, testes e PrEP.

Em termos de iniciar o tratamento e manter uma boa adesão, a ideia de I = I fornece uma estrutura para entender o objetivo do tratamento e também pode ser usada como uma forma de medir o sucesso do tratamento. A compreensão do termo “carga viral” é central para a mensagem. A educação sobre a importância do monitoramento da carga viral ajuda a aumentar o conhecimento dos profissionais de saúde e das pessoas que vivem com o HIV, ao mesmo tempo em que fornece uma motivação e cria uma demanda por testes rotineiros de carga viral.

Nguyen destacou fatores importantes que contribuíram para o sucesso no Vietnã:

 

  • Endosso do governo à mensagem I = Io Ministério da Saúde aceitou rapidamente as evidências que sustentavam o conceito em 2017 e o país foi um dos primeiros a considerar uma carga viral indetectável (<200 cópias / ml) como um indicador de sucesso do tratamento. Essas informações foram compartilhadas em plataformas amplamente acessíveis ao público, como programas de entrevistas.

 

  • Liderança comunitária: era importante que agências governamentais e comunitárias coordenassem atividades, a fim de espalhar a mensagem I = I para aqueles que mais precisavam ouví-la, especialmente populações-chave, como pessoas vivendo com HIV, usuários de drogas injetáveis e jovens HSH. As organizações comunitárias receberam doações e os líderes comunitários usaram diversas plataformas para envolver os membros, incluindo discussões na comunidade, divulgação por pares e eventos sociais de alto nível.

 

  • Campanhas nas cidades: as campanhas I = I foram desenvolvidas nas duas maiores cidades do país, para mudar a percepção pública do HIV e incentivar a aceitação da ideia de que uma carga viral indetectável fornece proteção completa contra a infecção pelo HIV. As campanhas provocativas focaram em populações-chave. O sucesso nessas cidades incentivou um compromisso mais amplo com a mensagem.

 

  • Integração de provedores de assistência médica: muitos prestadores de serviços de saúde relutavam em compartilhar a mensagem I = I com seus clientes. Isso requeria mensagens destinadas aos provedores, abordando diretamente suas preocupações e educando-as sobre o conceito. Essas informações foram fornecidas na forma de pôsteres e páginas da web que poderiam ser usadas em ambientes clínicos. Os visuais e textos simples e claros ilustravam os conceitos básicos de I = I de maneira a garantir que os fornecedores se sentissem confiantes ao compartilhar essas informações com seus clientes.

 

  • Encontrar ‘campeões’ do programa: isso inclui destacar os profissionais de saúde que apoiaram a mensagem e seus sucessos. Os ‘campeões’ em assistência médica ajudaram a colocar o I = I em prática em ambientes clínicos, fornecendo treinamento e assistência técnica nas unidades de saúde.

 

  • Criando uma campanha nacional: comemorou o I = I como transformador para indivíduos, casais e comunidades. Esta campanha contrastava com o quadro desatualizado do HIV como uma sentença de morte e, em vez disso, focava na saúde e longevidade resultante da supressão viral. Esta campanha foi vista em todos os lugares, do Facebook aos pontos de ônibus.

 

  • Evolução para uma estrutura de prevenção antirretroviral e serviços com status neutro: o próximo passo do Vietnã será o fornecimento de serviços com status neutro, oferecendo a indivíduos, casais e comunidades a medicação preventiva necessária, seja na forma de tratamento como na prevenção para pessoas vivendo com HIV ou profilaxia pré-exposição (PrEP) para aqueles que são HIV negativos

 

Conclusão

Essas apresentações indicam que são necessárias várias etapas para que o I = I seja implementado como um componente central da programação geral de prevenção de HIV de um país. A conscientização e aceitação generalizadas da mensagem são cruciais.

O estudo do Brasil representa um primeiro passo importante para identificar onde a educação é necessária e como ela pode ser adaptada às necessidades de grupos específicos, enquanto o Vietnã fornece um exemplo encorajador do potencial da I = I de remodelar a oferta nacional de serviços de HIV.

Fonte: Aidsmap

%d blogueiros gostam disto: