Jovem capixaba aliado do Projeto Diversidade multiplica conhecimento e capacita pares em seminário juvenil local


Foto: Divulgação

No último dia 29/06 o jovem Isaque Lima teve importante participação no 1º Seminário Capixaba de Capacitação da Rede Nacional de Adolescentes e Jovens Vivendo e Convivendo com HIV. Com foco em multilplicar informações para e entre outros jovens, o coordenador da Rede ES+, que esteve na última Oficina Interseccionalidade do Projeto Diversidade Sexual, Saúde e Direitos entre Jovens no Rio de Janeiro, foi um dos convidados da mesa de abertura (29) e moderador de uma segunda mesa no dia 30/06, último dia do evento.

A Mesa 1 teve como palestrantes a infectologista Rubia Miossi e o representante do Ministério da Saúde Diego Calixto. Eles foram responsáveis por importantes abordagens, como as que revelaram que 30% dos novos casos de HIV registrados no Brasil são entre jovens de 15 a 24 anos. “Também foi falado sobre a adesão aos ARV (antirretrovirais), desde o início da epidemia, até os dias atuais com antirretrovirais mais atualizados para o tratamento”, resumiu Isaque Lima. Outro ponto importante destacado pelo jovem foi sobre a Lipidistrofia, “que é o acúmulo excessivo de gordura que ocorre em determinadas partes do corpo de pessoas soropositivas em tratamento antirretroviral”, explicou ele em relato por e-mail. A parte da manhã ainda contou com a presença da Coordenadora Estadual de DST/AIDS Alba Valéria, que exibiu os dados epidemiológicos do estado do Espírito Santo para os convidados.

Já no período vespertino, o conceito do que é PEP (Profilaxia pós-exposição) e PrEP (Profilaxia pré-exposição) foram discutidos e destrinchados numa sessão de perguntas e respostas, respondidas por Diego Calixto, sobretudo. Mas para além disso, o momento também serviu para que se conhecesse com mais afinco a importância do PAM. Segundo Lima, a sigla trata-se do “Programa Anual de Metas que prevê o quadro de atividades a serem realizadas e apoiadas para o cumprimento de determinados objetivos. Todos os anos são previamente estruturados (esses objetivos) a nível estadual para que sejam efetuadas atividades de formação como esse seminário, com o recurso oferecido pelo programa, que é uma estruturação de recursos para o acontecimento dessas ações programadas”, resumiu.

Outro participante do Seminário que esteve na Oficina de Interseccionalidade do Projeto Diversidade, no Rio de Janeiro, Rafael Salvador também teve presença destacada no evento. Sua apresentação focou em falar sobre sua experiência após a descoberta do diagnóstico da soropositividade, a  depressão pós-descoberta, a revelação do diagnóstico para familiares e companheiro, aceitação e adesão ao tratamento e os cinco estágios da doença crônica.

No domingo (30), encerrando o 1° Seminário Capixaba, as atenções voltaram para as estratégias adotadas para a chamada Prevenção Combinada, a prevalência do HIV com recortes em gênero, raça, condição socioeconômica e outros quesitos, as populações mais vulneráveis, sífilis, a importância da Rede de Jovens e a formação de GTs (Grupos de Trabalhos) para elaboração de prevenção e capacitação de jovens para o movimento.

Texto: Jean Pierry Oliveira

 

 

 

%d blogueiros gostam disto: